Archives: novembro 2016

Você tem medo dos problemas?

 

Olá, gente…problemas

 

“Penso que só há um caminho para a ciência ou para a filosofia: encontrar um problema, ver a sua beleza e apaixonar-se por ele; casar e viver feliz com ele até que a morte vos separe – a não ser que encontrem outro problema ainda mais fascinante, ou, evidentemente a não ser que obtenham uma solução. Mas, mesmo que obtenham uma solução, poderão então descobrir, para vosso deleite, a existência de toda uma família de problemas-filhos, encantadores ainda que talvez difíceis, para cujo bem-estar poderão trabalhar, com um sentido, até ao fim vossos dias”. Karl Popper

 

São os problemas e as perguntas que mobilizam a pesquisa e a evolução do mundo. Logo, em educação assim como em qualquer outra atividade, os problemas devem ser sempre vistos como elementos mobilizadores das reflexões sobre as necessidades para que a educação avance sempre no sentido de garantir acesso, permanência e qualidade para as crianças e jovens.

 

Nesse sentido, enfrentar problemas e encontrar soluções são faces da mesma moeda, ou seja, deverão ser hábitos a serem desenvolvidas com o emprego de posturas e ações tanto científicas quanto heurísticas. Para tanto todas as formas de dados a serem coletados poderão estar sob diversas formas e canais de informação e comunicação, incluindo-se aí as falas, os depoimentos de pessoas representantes de todos os segmentos da instituição, sejam eles internos e externos.

 

Além disso, a criação de espaços e tempos para análises, reflexões, discussões e propostas de soluções dos problemas específicos, deverão integrar a atividade profissional, com objetivos de subsidiar a elaboração de planos de ações exequíveis, com acompanhamento, controle e avaliação, visando a consecução de objetivos propostos.

 

Os problemas unem forças, transformam a informação em conhecimento, produzem alternativas e soluções, mobilizam, enriquecem e ensinam.

 

Portanto, não tenhamos medo. Que venham os problemas!

Tem mais algo a acrescentar?

Encaminhe seus comentários.

 

Postado por Michel Assali