Archives: março 2017

Importância em desenvolver competências sócio emocionais

Olá, gente…habilidades socioemocionais

Sabemos muito bem da importância do desenvolvimento das habilidades e competências cognitivas nos processos de aprendizagem. E que as políticas públicas destinam de recursos com base nas avaliações externas aplicadas, com a finalidade de aperfeiçoar os sistemas e redes de ensino, visando o aperfeiçoamento e a formação continuada de seus profissionais, tendo em vista a melhoria da qualidade do ensino, com ênfase no “saber” e “saber fazer”.

Porém, pouco tem sido discutido e considerado para o desenvolvimento das habilidades e competências não cognitivas ou, sócio emocionais, relacionadas ao “saber conviver” e “saber ser”.

Motivação, autonomia, equilíbrio emocional, relacionamentos interpessoais, são competências a serem desenvolvidas e avaliadas com a finalidade de suscitar reflexões, direcionamentos e elaboração de projetos, tendo em vista seus impactos na qualidade da escola.

É certo que ninguém discorda da importância dessas competências, porém, pouco valorizadas e sequer mensuradas, nas reflexões sobre resultados de desempenho das avaliações internas e externas.

Ações como, o de ampliar período escolar, currículos adequados, engajamento social, integração do corpo docente, envolvimento real da comunidade, integração dos setores e níveis e modalidades de ensino, entre outros, poderão se constituir em elementos relevantes para a elaboração de novos projetos e ações de políticas públicas eficazes em educação.

Porém, se ignorarmos a preocupação em desenvolver as competências emocionais, acabaremos por fazer políticas públicas pouco adequadas para a educação necessária para os novos e conturbados tempos.

Somente conhecimentos conceituais não serão suficientes para as transformações desejadas para uma educação de qualidade, se quisermos que nossos novos cidadãos sejam realmente conscientes e ao combate aos diversos tipos de corrupção e abusos aos direitos humanos conquistados.

A necessidade de maiores investimentos no desenvolvimento de habilidades e competências não cognitivas no interior da escola poderá se constituir uma ferramenta importante para alavancar inovações necessárias aos novos desafios sociais e objetivos da educação para o século XXI.

Pense sobre isso. Deixe seus comentários!

Postado por Michel Assali