Archives: julho 2017

Freinet e a pedagogia para o século 21

Olá, gente…education sec 21

As tendências educacionais para o século 21 apontam para um ensino centrado na relação aluno-professor onde criatividade, inovação, ousadia, cooperação, entre outras, são competências a serem desenvolvidas individual e coletivamente.

Nesse sentido, as contribuições do pedagogo francês Celestin Freinet (1896-1966) possibilitam inspirar educadores na organização e planejamento do trabalho pedagógico em sala de aula, revendo e reorientando princípios educacionais formulados por esse importante pedagogo.

Dentre os princípios que norteiam suas teorias pedagógicas, Freinet cita suas clássicas Invariantes Pedagógicas, das quais faço questão de destacar algumas delas para contribuir nas nossas reflexões sobre educação.

Leia, pense, reflita e compartilhe:

Invariantes pedagógicas de Celestin Freinet

  1. A criança é da mesma natureza que o adulto.
  2. Ser maior não significa necessariamente estar acima dos outros.
  3. O comportamento escolar de uma criança depende do seu estado fisiológico, orgânico e constitucional.
  4. A criança e o adulto não gostam de imposições autoritárias.
  5. A criança e o adulto não gostam de uma disciplina rígida, quando isto significa obedecer passivamente uma ordem externa.
  6. Ninguém gosta de fazer determinado trabalho por coerção, mesmo que, em particular, ele não o desagrade. Toda atitude imposta é paralisante.
  7. Todos gostam de escolher o seu trabalho mesmo que essa escolha não seja a mais vantajosa.
  8. Ninguém gosta de trabalhar sem objetivo, atuar como máquina, sujeitando-se a rotinas nas quais não participa.
  9. É fundamental a motivação para o trabalho.
  10. É preciso abolir a escolástica.

10- a. Todos querem ser bem-sucedidos. O fracasso inibe, destrói o ânimo e o entusiasmo.

10- b. Não é o jogo que é natural na criança, mas sim o trabalho.

  1. Não são a observação, a explicação e a demonstração – processos essenciais da escola – as únicas vias normais de aquisição de conhecimento, mas a experiência tateante, que é uma conduta natural e universal.
  2. A memória, tão preconizada pela escola, não é válida, nem preciosa, a não ser quando está integrada no tateamento experimental, onde se encontra verdadeiramente a serviço da vida.
  3. As aquisições não são obtidas pelo estudo de regras e leis, como às vezes se crê, mas sim pela experiência. Estudar primeiro regras e leis é colocar o carro na frente dos bois.
  4. A inteligência não é uma faculdade específica, que funciona como um circuito fechado, independente dos demais elementos vitais do indivíduo, como ensina a escolástica.
  5. A escola cultiva apenas uma forma abstrata de inteligência, que atua fora da realidade fica fixada na memória por meio de palavras e ideias.
  6. A criança não gosta de receber lições autoritárias.
  7. A criança não se cansa de um trabalho funcional, ou seja, que atende aos rumos de sua vida.
  8. A criança e o adulto não gostam de ser controlados e receber sanções. Isso caracteriza uma ofensa à dignidade humana, sobretudo se exercida publicamente.
  9. As notas e classificações constituem sempre um erro.
  10. Fale o menos possível.
  11. A criança não gosta de sujeitar-se a um trabalho em rebanho. Ela prefere o trabalho individual ou de equipe numa comunidade cooperativa.
  12. A ordem e a disciplina são necessárias na aula.
  13. Os castigos são sempre um erro. São humilhantes, não conduzem ao fim desejado e não passam de paliativo.
  14. A nova vida da escola supõe a cooperação escolar, isto é, a gestão da vida pelo trabalho escolar pelos que a praticam, incluindo o educador.
  15. A sobrecarga das classes constitui sempre um erro pedagógico.
  16. A concepção atual das grandes escolas conduz professores e alunos ao anonimato, o que é sempre um erro e cria barreiras.
  17. A democracia de amanhã prepara-se pela democracia na escola. Um regime autoritário na escola não seria capaz de formar cidadãos democratas.
  18. Uma das primeiras condições da renovação da escola é o respeito à criança e, por sua vez, a criança ter respeito aos seus professores; só assim é possível educar dentro da dignidade.
  19. A reação social e política, que manifesta uma reação pedagógica, é uma oposição com o qual temos que contar, sem que se possa evitá-la ou modificá-la.
  20. É preciso ter esperança otimista na vida.

Quer saber mais? Faça uma pesquisa sobre Freinet. Muito do seu trabalho pode ser adaptado para a sala de aula de hoje.

Deixe seus comentários sobre o assunto.

Postado por Michel Assali

Fim de férias! Voltando ao trabalho

Olá, gente..http://www.fotonazos.es

Estou de volta! Volta das férias! Volta ao trabalho!

Na bagagem?

Muita roupa para lavar, agenda a organizar e contas a pagar.

A cabeça? Cheia!

Cheia de experiências sentidas e vividas. Algumas ficarão como tatuagens.

Experiências de costumes e culturas, linguagens e históricas.

E ainda, todas as experiências gastronômicas, repleta de sabores. Dos doces aos salgados, dos ácidos aos amargos, das texturas simples às complexas e dos aromas suaves aos intensos.

As cores? Uma diversidade de matizes, sombras e luz, impregnando a retina, gravadas muito mais na mente que nas máquinas fotográficas.

Experiências com gente que vive, trabalha e luta como a gente, e o mais importante, parentes. Parentes que mal conhecia e tive um grande prazer de conviver por alguns dias com a emoção do encontro vivido, no qual também faço parte da história deles e da minha.

A experiência das férias foi de um grande momento emoção, alegria e reflexão onde, forma, conteúdo e avaliação se fundem num todo para desenvolver um grande aprendizado sobre a vida. Até o fuso, que deixa a gente confuso, é componente de tudo isso, trazendo sempre à lembrança, os bons momentos das férias.

Férias! Eu recomendo que usufruam e aproveitem!

Bom retorno ao trabalho.

Postado por Michel Assali

[Top]

Olá, gente…Férias 3

 

Realmente, preciso de um pouco de férias! Só um pouco!

Estou cansado da política da ladroeira dos de cima e dos de baixo.

Sou extorquido pelos governos e mal posso andar na rua para uma caminhada despreocupada.

Não posso ter um relógio melhor, uma bicicleta melhor, um celular, uma moto, um carro, …

 

Já não consigo abrir os jornais que recheiam a maior parte do seu conteúdo com notícias de violência, propinas, fraudes e injustiças.

Chegamos num ponto interessante da história em que o brasileiro sabe o nome dos ministros do STF e mal sabem da escalação da seleção brasileira de futebol, conhecendo apenas o Neymar.

Não temos santos nem heróis, nem direita nem esquerda e nem centro. E ninguém quer saber nada disso!

 

Também reconheço que é preciso que todo o sombrio e lodo venham à tona para uma limpeza e recomeço. Tenho certeza que os brasileiros e sua consciente participação política farão um Brasil muito melhor.

 

Porém, nesse momento é preciso recuperar energias físicas e mentais. Resolvi dar férias para as tristezas e decepções.

Cansei de ficar reclamando, de achar culpados e pensar em propostas milagrosas. Resolvi mandar tudo plantar batatas e decidi: vou levar a família toda e se mandar para Nárnia ou Passárgada.

Melhor ainda. Decidimos visitar minha terra natal.

Conhecer parentes que nunca conheci. Rever as origens, raízes, culturas e buscar a essência do  valor da vida, que é muito significativa e superior aos nossos problemas políticos.

 

Quero registrar os bons momentos e encontros usando não apenas as fotos e “selfies”, mas usar todos os sentidos disponíveis que Deus nos deu para sentir as cores, os sabores, aromas, texturas e sons. Intensamente!

 

Vamos em paz! Animados na esperança de que ao retornar, encontrarei nosso país bem melhor.

 

Postado por Michel Assali

[Top]