Mundo chato?

Olá, gente…mundo chato

Em que mundo é esse em que  estamos vivendo?

Que mundo queremos deixar para nossos filhos e netos?

Foi a partir destas e outras indagações e algumas reflexões sobre as questões democráticas referentes às máximas proclamadas pela revolução francesa, “liberdade, igualdade e fraternidade”, concluí que nosso mundo parece estar ficando muito chato.

Em nome destes ideais, a sociedade atual tem imposto medidas rigorosas de forma a propalar uma moral idealizada com objetivos de produzir uma homogênea massa de comportamentos, resultando numa liberdade “pasteurizada”.

Mesmo com tanta informação e com a ideia de desenvolver uma pessoa holística, diversas ciências e especialidades surgem para nos ensinar a viver, como se isso e uma coisa difícil, que exigem um assistente para todos os momentos da vida.  Assistimos então, a proliferação do “personal ….” alguma coisa.

Temos o “personal” do corpo, da decoração, das finanças, da viagem, da cozinha, etc., já despontando como gênero de primeira necessidade, como se a própria vida e o ato de viver não nos ensinassem nada.

E ainda tem as proibições, os impedimentos e um monte de coisas vedadas ao ser idealizado. Você, caro leitor, já observou o existe de proibições?

Não se pode beber, fumar, comer frituras, tomar café, usar açúcar nem adoçantes. Nem falar alto, rir a toa, dar bronca em criança.

O que não é proibido é muito bem pago. Paga-se para ver escola de samba, atrás do trio elétrico, estacionar na rua, flanelinha, pedágio, etc.

O mais interessante é que em nome da liberdade, tudo passou a ser monitorado: nossas ligações e contas telefônicas, movimentações bancárias, cartões de crédito e débito e uma grande porção de ações que realizamos que podem ser expostas pelas redes sociais.

Passamos a ser protagonistas de fotos e vídeos sem que sejamos consultados tanto pela grande quantidade de câmeras espalhadas em todos os cantos e ambientes da cidade como pelos celulares de qualquer pessoa, sob o risco ainda de aparecer nas chamadas “vídeocassetadas”.

Chamam isso de Bigdata, uma espécie de “bigbrother”mundial, que sabe mais sobre a gente do que agente mesmo.

Será que tudo isso é para garantir nossa liberdade?

Penso que este mundo está ficando chato demais!

E o que pior, há chatos demais em todas as instâncias e setores da nossa sociedade, onde muitos se escondem atrás de um nome  sofisticados: o politicamente correto.

Faço questão de citar um trecho do artigo-desabafo de Luiz Fernando Pondé no Jornal Folha de São Paulo de 07/09/09. Veja:

“Esses chatos, montados em suas análises jurídicas, sociológicas e psicológicas, atormentam a família, que fica perdida em meio a uma ciência moralista que tem como uma de suas taras a intenção de provar a incompetência dos homens e das mulheres na labuta com suas crias. Agora esses chatos decidiram que vão mandar nas compras de sucrilhos e nas idas ao McDonald’s.
Tomados pelo furor da lei, esses puritanos querem ensinar padre-nosso ao vigário, assumindo que os pais precisam de tutela na hora de comprar comida para seus filhos. Nada de bonequinhos, nada de brindes, apenas embalagens feias como caixotes soviéticos. Daqui a pouco, vão proibir mulheres bonitas nas propagandas e as gotas de cerveja que escorrem por suas saias curtas. Riscarão do mapa carros que desfilam homens charmosos. Uma verdadeira pedagogia do horror como higiene do bem.
O problema com este higienismo é que ele pensa combater em nome da liberdade, mas, na realidade, restringe ainda mais a liberdade, esmagando-a em nome desta senhora horrorosa que se chama “cidadania”.”

Vale a pena refletir sobre o assunto.

Encaminhe seus comentários e desculpem o desabafo!

Postado por Michel Assali

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *