Pare com isso, educador!

Olá, gente…pere-e-pense

 

Atendendo a algumas solicitações de colegas coordenadores, estamos postando novamente o texto “PARE com isso” no sentido de contribuir com materiais para discussões nos horários de trabalho pedagógico das escolas e outras atividades pedagógicas. Inexiste a intenção de ditar normas, regras ou concepções de educação exigindo para tanto a necessidade de pesquisas de aprofundamento.

 

Igualmente não existe nenhuma intenção de crítica ao professor nem aos sistemas e modelos de ensino, mas apenas o ensejo de provocar reflexões sobre a rotina escolar, que possam resultar em ações de melhoria e inovação.

 

Então, vamos parar com algumas coisas:

Pare de modelar a localização do aluno na sala. Permita que cada aluno seja responsável pela sua aprendizagem.

Pare de impedir que os alunos possam usar smartfones. O problema não está na tecnologia, mas, no modelo de ensino e aprendizagem.

Pare de racionalizar tanto o processo educacional, utilizando gráficos estatísticos para explicar e justificar problemas. O processo é mais humano que técnico.

Pare para rever os momentos chatos e inaproveitáveis da aula. É possível transformá-los em momentos ricos de aperfeiçoamento profissional e melhorar a qualidade da aprendizagem.

Pare de tratar os melhores professores, como meros cumpridores da obrigação. Incentive, elogie e aprenda com eles.

Pare de responsabilizar somente você pelo insucesso da aprendizagem. Além de outros fatores, mostre a cada aluno que também é responsável por seu sucesso.

Pare com as aulas improdutivas e monológicas. Procures desenvolver aprendizagens significativas e evolventes que despertem interesse e curiosidade.

Pare de realizar provas apenas para classificar, mas que sejam indicadoras de intervenções necessárias visando superação de dificuldades e aumento da qualidade de ensino.

Pare de simplificar o ensino e a aprendizagem e procure elevar as expectativas e os níveis de compreensão e melhoria.

Pare com aulas chatas e tristes. Promova a alegria, a curiosidade e a capacidade de fazer a pergunta certa no momento certo.

Pare de considerar que pais e comunidades nada têm a contribuir na vida escolar. Convide-os a desenvolver temas e palestras considerando seus talentos individuais e conhecimentos profissionais.

Pare de demonizar as mídias sociais e use-as a seu favor. Vídeos, podcasts, imagens, textos, etc, se tratados de forma pedagógica podem se transformar em poderosos recursos pedagógicos de aprendizagem.

Pare de considerar apenas os professores como únicos responsáveis pelos problemas de aprendizagem. Faça um exercício de observação de sistemas, mas não espere o sistema ideal para começar a trabalhar bem.

Pare de reclamar tanto dos gestores e administradores. Faça muito bem sua parte exija com justificativas relevantes as necessidades para um trabalho de qualidade.

Pare de tratar a educação como apenas um serviço. Considere os objetivos da educação como possibilidades de auto-conhecimento permitindo sua visão de mundo.

 

Portanto, pare com isso!

Se você tem mais contribuições, encaminhe, por favor.

Vamos compartilhar!

Postado por Michel Assali

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *