Manifesto incompleto a favor da inovação em educação.

 

Olá, gente…inovacao-em-educacao

 

Inovação é atualmente a demanda mais solicitada tanto nas instituições públicos quanto nas corporativas e nos mais diversos setores da sociedade, com ênfase especial na educação. É evidente que a base para qualquer inovação que se pretenda reside no desenvolvimento da criatividade.

 

Dessa forma, a importância de construir um ambiente educacional favorável a promover a criatividade é fundamental dentro da instituição escolar, seja em ambientes especiais como na própria sala de aula.

 

Com esta preocupação o designer canadense Bruce Mau, iniciou um movimento em 1998, selecionando práticas e ações para motivar e liberar a criatividade. Embora seu objetivo visasse os designers, os conceitos são válidos para qualquer profissional, inclusive educadores.

 

Bruce Mau acredita que o Design é uma nova maneira de aumentar a qualidade do ensino das crianças e assim, gerar inovadores profissionais no futuro. Ele entende que o poder do design não tem limites, e tem a capacidade de trazer mudanças positivas em uma escala global.

 

Com muitos adeptos a ideia, Mau elaborou um manifesto que recebeu o nome de “Manifesto Incompleto”, por ter o objetivo de ser um movimento contínuo e construído de forma colaborativa.

 

Segue abaixo, uma seleção de interessantes afirmativas contidas no Manifesto Incompleto que favorecem nossa reflexão a respeito do assunto e sobre nosso trabalho.

 

  • Permita-se mudar com os acontecimentos:

Você tem que estar disposto a crescer. Crescimento é diferente de algo que acontece com você. Você pode produzi-lo. Você vive isso. Para um crescimento significativo, é preciso estar aberto para experimentar eventos e a vontade de ser mudado por eles.

 

  • Esqueça o bom:

Bom é uma quantidade conhecida. Bom é o que todos nós concordamos. Precisamos, na verdade do ótimo, da excelência.

 

  • O crescimento não é necessariamente o bom:

Crescimento é uma exploração constante. Se você já se contentar com um bom, você nunca vai ter um crescimento real.

 

  • Não deixe de lado os erros acidentais:

A resposta errada é a resposta certa em busca de uma questão diferente. Colecione respostas erradas como parte do processo. Faça perguntas diferentes. Valorize os detalhes.

 

  • Colabore:

O espaço entre pessoas trabalhando juntas é cheio de conflitos, atritos, alegria, prazer e vasto potencial criativo. Permita-se a colaborar sempre.

 

  • Fique acordado até tarde:

Coisas estranhas acontecem quando você vai longe demais, trabalhou muito duro e depois, se vê separado do resto do mundo.

 

  • Pense com a sua mente:

Esqueça a tecnologia. Criatividade não é dependente desse recurso. Toda mudança começa conosco e não com os recursos. A tecnologia é apenas recurso a ser disponibilizado para o que nós vamos planejar.

 

  • Processo é mais importante que resultado: Quando o resultado guia o processo, nós somente iremos para onde já estivemos e pode levar a procrastinação. Se o processo guia o resultado, nós podemos não saber para onde estamos indo, mas saberemos que queremos estar lá.

 

  • Ame seus experimentos:

Prazer é a engrenagem do crescimento. Explore a liberdade de moldar seu trabalho como lindos experimentos, interações, tentativas, provas e erros. Olhe para a longa vista e permita a si mesmo a diversão da falha todos os dias.

 

  • Fique a deriva:

Permita a si mesmo vagar sem rumo. Explore as adjacências. Não faça julgamentos. Adie críticas.

 

  • Continue se movendo:

A sociedade, o  mercado e suas operações têm a tendência de reforçar o sucesso. Resista. Permita que a falha e a migração sejam partes de sua prática.

 

  • Não entre em premiações:

Simplesmente não faça isso. Não caia na armadilha da competição. Não é bom para você.

 

Não é mais possível admitir que, em pleno século XXI, uma empresa ou instituição escolar que almeja o sucesso não tenha como lema a inovação. Mas é preciso combinar o princípio da inovação com o principio do processo criativo e, junto com outras ações estruturantes, manterem-se competitivas.

 

Lembrando que inovar é o passo final de um longo caminho difícil, ousado e de enfrentamento de mudanças, requerendo persistência, disciplina e determinação por parte de todas as pessoas e de todos os setores. É possível!

 

Lembre-se que do século XXI, já se passaram 16% e, inovações na educação até agora, nadinha de nada.

 

Já pensou a respeito disso? Manifeste sua opinião! Deixe seus comentários!

 

Postado por Michel Assali

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *