Cuidados com o cyberbullyng

Olá, gente…cyberbullyng 2

Ao fazer uma pesquisa sobre o cyberbullyng, assisti a um vídeo da TED Talk, com Monica Lewinski, a estagiária que se envolveu com o presidente americano Bill Clinton.

A palestra, intitulada como “O preço da vergonha”, discorre sobre os desdobramentos do “romance”, com ênfase no poder destrutivo da informação veiculada maciçamente pela internet e redes sociais, quando optam e decidem pelo “linchamento” virtual de pessoas, mesmo que não venham a cometer um crime. Clique para assistir o vídeo.

A reflexão nos leva a concluir que, mais do que a culpa, a vergonha passou a ser muito mais perigosa para vida de pessoas que sofrem da superexposição nas redes sociais, que podem  vir a ser submetidas a julgamentos indevidos, rápidos e injustos e como consequência, o cyberbullyng.

Resume Lewinski, na sua palestra quando diz: “A crueldade com os outros não é novidade, mas online, a humilhação tecnologicamente melhorada, é amplificada, incontrolável e permanentemente acessível”.

A culpa é sentimento de propriedade da pessoa que o sente, é passível de reconhecimento, redenção e perdão por ela mesma. Já a vergonha emana do externo, do social, dos grupos, das redes, com poder altamente destrutivo e de difícil defesa e perdão.

O dicionário virtual dicio.com.br, define Cyberbullying  como a forma de violência, através da internet, que ocorre de modo repetitivo ou frequente, sendo direcionada a uma ou mais pessoas, caracterizando-se por atingir os mais fracos de modo a intimidar, humilhar ou maltratar os que são alvos dessas agressões.

Como o ciberbullying é difícil de rastrear, muitas vítimas se sentem indefesas e incapazes de lidar com isso, especialmente se o bullying é pessoal e longo. Não é nenhuma surpresa, portanto, que essa forma de bullying tenha sido conhecida por provocar depressão e ansiedade em suas vítimas. Em muitos casos, também evoluiu desenvolvendo tendências de automutilação e em casos extremos, o suicídio.

Lamentavelmente, a vergonha mata mais que a culpa!

Nesse sentido, a superação do problema está na forma em que decidimos e orientamos a educação de nossas crianças e jovens. É preciso prestar mais atenção ao desenvolvimento das habilidades sócio emocionais, que precisam ser cada vez mais serem trabalhadas e desenvolvidas pela família em parceria com a escola, tendo como base a formação da empatia, ou seja, saber se colocar no lugar do outro.

Pense sobre isso. Pesquise a respeito, aprofunde a discussão e compartilhe.

Postado por Michel Assali

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *